+ Conheça Mais
 

Posts com a tag: kitesurf

 
.

No doce sabor do vento

04 dez
 

O vento está presente em toda a história da humanidade, apesar de poucas vezes ser citado como protagonista. Aqui e ali, soprou ideias aos inventores, semeou novos caminhos, moveu caravelas, alimentou incêndios, limpou o ar poluído, carregou balões… Também marcou presença em diversas histórias épicas que fazem parte do nosso imaginário. No cinema, é inevitável citar o drama romântico  “E o Vento Levou”. E, na literatura brasileira, a obra clássica de Érico Veríssimo “O Tempo e o Vento”.

VENTO-BALÃO

Como um motor oculto da vida cotidiana, o vento refresca ambientes, carrega poeira e permeia a sabedoria popular, em expressões e ditados repetidos “aos quatro ventos”. Mas sabemos tão pouco sobre ele!

Entre os ditados mais famosos, e com razão, está “quem semeia vento colhe tempestades”. A expressão tem pelo menos duas fontes memoráveis: a Bíblia (Provérbios) e a Odisseia, poema épico da Grécia antiga atribuído a Homero, com as aventuras de Ulisses.  O texto épico conta o retorno de Ulisses (ou Odisseu) a sua terra natal, Ítaca, depois da guerra de Tróia. E não são poucas aventuras. Depois de uma guerra de dez anos, ele leva mais dez para conseguir retornar a casa. No caminho encontra sereias, ciclopes e deuses. Entre eles o deus Eolo, senhor dos ventos, que dá de presente a Ulisses um saco de couro contendo todos os ventos, menos o vento oeste, deixado livre para conduzir a embarcação até Ítaca. No entanto, Ulisses é relapso com a segurança do presente e, justo quando Ítaca aparece no horizonte, seus marinheiros resolvem abrir o saco, soltando todos os ventos e provocando uma tempestade que leva a embarcação de volta à ilha onde mora Eolo, que se recusa a ajudá-lo novamente,  sentenciando: “quem semeia vento colhe tempestades!”

VENTO-MAR

Pedindo licença ao deus grego, precisamos lembrar que nem todos os ventos são prenúncio de tempestade. A palavra vento é um genérico que inclui ventos constantes, periódicos, locais, variáveis ou… destruidores. Na dúvida para saber a sua velocidade, é preciso usar um aparelho chamado anemômetro. Para descobrir a direção e o sentido, usa-se uma biruta ou anemoscópio.

VENTO-BIRUTA

O certo é que o pior resultado para Ulisses seria um tornado, que chega a 500 Km/h, costuma atingir as zonas temperadas do hemisfério norte e é uma versão concentrada de ciclone. Um ciclone com trajeto circular já é furacão, se surgir no mar do Caribe ou nos Estados Unidos. Porém, se o ciclone se formar na Ásia (Oceano Pacífico) torna-se um tufão. Na Austrália e demais países ao sul da Oceania, recebe o nome engraçado de Willy-Willy.

Já deu para perceber que o melhor é não pegar carona com Ulisses e não experimentar sequer um vendaval (ventos de até 150 Km/h), que ocorre geralmente de madrugada e pode durar cinco horas…

VENTO-GOOD

Para aproveitar bem a praia, o aconselhável é desfrutar da brisa. Conforme as classificações, brisas são repetitivas – e muito agradáveis. Podem ser marítimas, que sopram do mar para o continente e refrescam o dia; ou terrestres, que vão da terra para o mar e acontecem à noite.

VENTO-CABELO

Para a navegação e prática de esportes são recomendados ventos regulares e amenos (também indicados para empinar pipas), como os alísios, que sopram dos trópicos para o equador. São os ventos alísios que passam pelo Cumbuco com força total, pois não encontram nenhum obstáculo natural pelo caminho, e criam o ambiente ideal para a prática de kite e windsurf.

Esquecendo um pouco as nomenclaturas, o principal é deixar os cabelos ao vento. Esquecer os problemas em um animado passeio de buggy ou na aventura de um velejo.

Agora sabendo um pouco mais sobre o que pedir ao deus Eolo, vale desejar aos amigos, em caso de viagem, que bons ventos (alísios!) os levem.

VENTO-KITE

*Obs: clique aqui para saber maiores informações sobre as escalas de vento para a prática do kitesurf!

 

 
.
.

Gente que vive do amor pelo mar: uma inspiração para você!

20 ago
 

Para aproveitar a vida ao máximo, nada como a delícia de praticar um esporte com muito mar, ondas e, quem sabe, céu. O surf, o windsurf, a vela e o kite trazem grandes emoções e até quem está na praia aproveita para bater fotos especiais dos belos momentos em que homem e natureza se harmonizam.

Pôr do sol no Cumbuco

Pôr do sol no Cumbuco

Os esportes para os apaixonados pelas ondas são tão envolventes que levam a passeios pelo mundo, no embalo do vento. Foi o que aconteceu com André Penna, Cedric Schmidt e Carla Lima, que completaram há poucos dias um downwind de kite de mil quilômetros na África, de Moçambique a Zanzibar. Quer saber mais sobre a viagem inusitada? O canal Off vai ter um programa especial sobre ela, “De Vento em Popa”, com imagens capturadas por Rafael Syd.

E há ainda mais histórias por trás das câmeras, de quem vive apaixonado pelo mar. Rafael Syd é um gaúcho que, abastecido com o amor pelo surf,  hoje viaja o mundo inteiro entre ondas e aventuras, pescando belas imagens por aí, sempre com muita água salgada. Antes do “De Vento em Popa”, foi  responsável por “Homem Peixe”, primeira e segunda temporadas e “Custo Zero” (todos produzidos para o canal Off).

Rafael Syd em Teahupoo, no Tahiti, onde estão algumas das ondas mais perigosas do mundo (by Brian Bielmann)

Rafael Syd em Teahupoo, no Tahiti, onde estão algumas das ondas mais perigosas do mundo (by Brian Bielmann)

Rafael tem na bagagem a experiência de trabalhos para grandes marcas, com muitas filmagens aquáticas e produções de vídeos de surf. Já viajou por todo o Brasil e pelo mundo, passando por Noronha, Califórnia, Hawaii,  África…  Nestes últimos dias, emendou o trabalho para o “De Vento em Popa” com o “Surf na África Negra”.

Rafael Syd no trajeto pela África

Rafael Syd no trajeto pela África

Acompanhe aqui algumas fotos da equipe na produção da série.

Depois de pegar aquele calorzinho gostoso no lado leste da África, ele está agora no lado oeste, onde o amor pelo surf é colocado à prova com uma água bem gelada. Mas não tem nada não, o pessoal  não se intimida e surfa mesmo que debaixo de um fog nada londrino. A série vai ter 13 episódios e o trajeto a ser percorrido dessa vez é Namíbia, Gambia, Senegal e Cabo Verde.

Uma prévia de “Surf na África Negra” (by Rafael Papa)

Uma prévia de “Surf na África Negra” (by Rafael Papa)

Claro que, com toda essa inspiração dos programas do Canal Off, você vai se animar para começar logo as próprias aventuras! No Cumbuco tem um mar quentinho e boas pousadas para hospedar sua família e amigos, há escolas com instrutores capacitados, estrutura perfeita para os novos esportes em um horizonte de beleza impressionante. Como se não bastasse tudo isso, o  vento está de volta com força total…

O vento traz alegria para os kitesurfistas, enchendo de cores a praia do Cumbuco

O vento traz alegria para os kitesurfistas, enchendo de cores a praia do Cumbuco

E aqui vai um vídeo de downwind de kitesurf no Cumbuco, para inspirar mais ainda e dar uma ideia do que aguarda você tão pertinho, a apenas 30 minutos de Fortaleza…

 
.
.

Kitesurf, um esporte que não para de crescer

30 jul
 

vpc-kites

O Kitesurf é um esporte relativamente novo, e está crescendo em popularidade de forma espetacular. O nome vem da junção de duas palavras: kite (que significa pipa, arraia, papagaio) + surf. O praticante de kitesurf usa vários equipamentos e pode fazer várias manobras, algumas delas realmente radicais: acredite, neste esporte você pode literalmente voar!

O kitesurf foi inventado em 1984 por dois irmãos franceses (Bruno e Dominique Legaignoix), que eram navegadores, surfistas e windsurfistas. A dupla desenvolveu uma pipa com câmaras de ar, que fazia com que pudesse ser erguida na água toda vez que caísse, sem precisar de ajuda.

Daí para o kitesurf como o conhecemos hoje foi um “pulinho”! Na verdade, o esporte atingiu popularidade mesmo na década de 90, pois foi a partir de 1993 que as “pipas”, já então desenvolvidas dentro das normas comerciais, começaram a ser vendidas.

vpc-kite-sol

Desde então o esporte não parou mais de evoluir e de conquistar fãs de todo mundo, que buscam os points mais adequados para a sua prática, com ondas e ventos na medida certa, como na Austrália, Caribe, Peru, Ilhas Canárias e o Nordeste do Brasil, mais especificamente Jericoacoara… e o Cumbuco, é claro!

Por falar nisso, a Praia do Cumbuco é considerada o local perfeito pela maioria dos kitesurfistas. Quer velejar? Vem pro Cumbuco! Aqui a vibe é radical!

vpc-kite-perto

 
.
.

As Aventuras do Kite

17 set
 

Os ventos de agosto e setembro estão trazendo muita coisa boa pro Cumbuco. Primeiro, é um show à parte para os visitantes e turistas ver um mar de pipas coloridas mar a fora. Depois que quem vem logo se interessa em aprender o esporte, e o que não falta são professores para te ensinar, nas “escolinhas” e mesmo pousadas e hotéis, que nós já te mostramos aqui. Quem já pratica, espera o ano todo por essa temporada dos ventos, pra se jogar com toda vontade, seja no mar ou nas lagoas, e não querer mais sair de cima da prancha.

Nós separamos algumas fotos desses momentos de aventura pra você ficar com água na boca e vir correndo pra cá assim que der. Confere aí!

Fotos: CumbucoKiteClub

 

 
.
.

Cumbuco no OffJam

03 jun
 

Os ventos do Cumbuco são conhecidos mundialmente por possuírem condições perfeitas para quem pratica esportes como kitesurf. Segundo o canal OffJam, nossa praia é a preferida na hora da prática desse esporte.

Eles foram até o Cumbuco pra mostrar uma sessão de kitesurf nesse paraíso dos ventos! Confira: http://offjam.canaloff.globo.com/os-ventos-de-cumbuco/

O OffJam faz parte do CanalOff.globo.com e fala de esportes de ação e aventura em contato com a natureza, vale a pena conferir e ficar por dentro de tudo que acontece nessa área!

E aproveite para seguir a dica do OffJam: venha praticar kitesurf no Cumbuco!

Foto: Bruno Bordovsky – Cumbuco, CE
© Maurício Val/ FOTOCOM.NET 

 
.